Vagner Cunha e Ernesto Fagundes executam música ao vivo para filme de Dziga Vertov, no Cine Iberê

COMPARTILHAR
L

No domingo, 24 de junho, às 16h, o Cine Iberê apresenta uma sessão especial de cinema mudo com música ao vivo, com o compositor e multi-instrumentista Vagner Cunha e o compositor, percussionista e cantor Ernesto Fagundes. Filme ícone do cinema documental e experimental, Um Homem com uma Câmera, do cineasta russo Dziga Vertov, dialoga com as exposições em cartaz na Fundação Iberê Camargo – Moderna Para Sempre e As Durações do Rastro – por sua influência do futurismo e do construtivismo, aproximando-se da arquitetura. A sessão única e gratuita integra o programa Silêncio em Movimento – cinema mudo com música ao vivo, e tem curadoria de Marta Biavaschi.

Um Homem com uma Câmera revela o cotidiano da vida urbana de Odessa e de outras cidades da antiga União Soviética, mostrando a indústria, o trabalho e as formas de lazer da população soviética dos anos 20. O documentário também é marcado pela experimentação cinematográfica que Diziga Vertov chamava de cine-olho, afirmando-se como um filme-tese sobre o próprio fazer cinematográfico. Foi realizado com diferentes procedimentos cinematográficos, como alteração de velocidade da câmera, stills, telas divididas, entre outros.

A trilha executada foi composta pelo maestro e multi-instrumentista Cunha especialmente para o filme. Vagner Cunha atua em diversos ambientes na cena musical contemporânea, tendo suas composições interpretadas por importantes orquestras e grupos de câmara brasileiros. Vagner também compõe trilhas musicais para dezenas de filmes e projetos audiovisuais, além de músicas orquestrais didáticas, dedicadas à formação de jovens instrumentistas. Sua obra está em discos como Mahavidyas (2008), Além (2012), Variações São Petersburgo (2016), Vagner Cunha convida Guinga (2017), Concerto para Violão de 7 cordas e orquestra com Yamandu Costa (2017), além de dois discos dedicados a poemas de Antonio Meneghetti, interpretados pela Camerata Ontoarte e Carla Maffioletti (2015 e 2017).

Junto com cantor e bombo leguerista Ernesto Fagundes gravou, em 2017, o projeto Los Orientales. Em seu primeiro CD, a dupla convidou o acordeonista Luciano Maia e o violoncelista Celau Moreira para interpretarem um repertório de composições próprias que inclui milonga, valsa, chacarera e samba, entre outros ritmos que varrem de leste a oeste a geografia musical. Ernesto Fagundes é bombo leguerista, cantor e compositor.  Juntamente com o pai Bagre e os irmãos Neto e Paulinho, integra o conjunto de música regional gaúcha Os Fagundes, mas sua atuação como músico é ampla e diversa, tendo trabalhado com grandes instrumentistas como Yamandu Costa.

Diziga Vertov (1896- 1954) é cineasta, documentarista e jornalista russo, considerado o realizador precursor do cinema-verdade. Sua primeira obra cinematográfica – o cinejornal Kinonedelia (1918). Contemporâneo de Eisenstein, Diziga Vertov fundou o movimento cine-olho, em 1923. A partir do olho, a realidade-sensação do mundo,  sem a representação, sem a dramatizacão. Sua filmografia, entre outras obras: Kinonedelia (1918), O aniversário da Revolução (1919), A batalha de Tsaritsin (1920), Kinopravda (1922-25), A sexta parte do mundo (1926), O décimo primeiro ano (1927-28), Um homem com uma câmera (1929), Três cânticos para Lenin (1934), Canção de ninar (1937), Três heroínas (1938).

Serviço
Cine Iberê
Domingo, 24 de junho, às 16h – Um Homem com uma Câmera, de Dziga Vertov (1h7min, 1929, URSS) – Cinema mudo com música ao vivo, composta especialmente para o filme e executada por Vagner Cunha e Ernesto Fagundes

Entrada franca por ordem de chegada  | Classificação indicativa: 12 anos
Local: Auditório BTG Pactual
Endereço: Fundação Iberê Camargo – Avenida Padre Cacique, 2000
Visita virtual Google Artes & Culture – https://goo.gl/wYr75v

Pernas – German Lorca Foto: João Luiz Musa

As Durações do Rastro /Berlin – Imagem: Jordi Burch