11/12/2017

Galeria

Jornal da Tarde resume a tristeza do País na Copa de 1982

O futebol, como grande paixão esportiva nacional, sempre rendeu grandes imagens e textos jornalísticos. Um dos grandes desafios para a cobertura esportiva é mostrar uma informação que vá além do fato, mas que reflita  os sentimentos profundos que o esporte traz aos torcedores. Há 35 anos, uma das capas mais famosas já publicadas no Brasil conseguiu esse feito.

Na tarde de 5 de julho de 1982, no estádio do Sarriá, em Barcelona, a Seleção Brasileira de Futebol se despedia da Copa do Mundo da Espanha com uma derrota por 3 a 2 contra a Itália, na  segunda fase da competição – equivalente hoje às quartas de final. O resultado foi uma surpresa, porque a Seleção Brasileira, comandada por Telê Santana, era considerada a melhor daquela Copa, contando com nomes como Sócrates, Zico, Falcão, Toninho Cerezzo, entre  outros.

Naquela ocasião, o garoto José Carlos Vilella, de 10 anos, foi clicado pelo fotógrafo Reginaldo Manente nas arquibancadas do estádio enquanto chorava a eliminação brasileira. No dia seguinte, seu rosto triste estampava a capa do “Jornal da Tarde”, na edição de maior tiragem da história de um dos mais importantes jornais de São Paulo. Somente a fotografia, ampliada, sem texto nenhum além da data da tragédia do Sarriá.

A foto foi difícil de fazer. Após pular alambrados e ultrapassar barreiras de proteção, Manente ficou a um metro e meio de mãe e filho. Mas ele não gostou da primeira foto que fez de José Carlos, pois estava chorando demais. Passou a clicar a mãe, se esforçando para não parecer intrometido. Quando o garoto se distraiu, o fotógrafo fez o registro.

Em São Paulo, Mário Marinho, o editor do caderno de esportes do “Jornal da Tarde”, estava preocupado com a forma como noticiaria, um dia depois, a derrota da seleção que o Brasil todo já conhecia. O diferencial apareceu quando um aparelho ligado à linha telefônica (transmissor de fotografias) começou a apitar. Era Manente enviando as fotos daquela cobertura, incluindo a única de José Carlos. Depois de mandá-la à redação, o fotógrafo fez uma cópia e mostrou a Roberto Avallone e Vital Bataglia, outros jornalistas que cobriam aquela Copa do Mundo.

Ao olhar pra ela, Bataglia chorou copiosamente, incapaz de conter as lágrimas diante da contenção do garoto de dez anos. O repórter acabou ganhando de presente aquela foto, com uma dedicatória do autor. Manente ganharia o Prêmio Esso de Fotografia pela imagem.

Desde então, a foto foi usada para diversos fins, de campanhas publicitárias a livros sobre futebol. Já o Jornal da Tarde deixou de circular em 31 de outubro de 2012.

Jornal da Tarde 1982 1

Recomendados