Termovisor da Fluke auxilia pesquisa inovadora que prevê diagnóstico de mastite em bovinos

3482
COMPARTILHAR

A Fluke compartilhou sua tecnologia a fim de auxiliar o diagnóstico precoce da mastite clínica e subclínica em bovinos leiteiros. O Termovisor Fluke Ti450 permitiu realizar o diagnóstico da doença em vacas, por meio da análise termográfica infravermelha de temperaturas superficiais da pele do úbere e tetos, em relação ao corpo e ao reto do animal. O estudo, idealizado por Luana Rodrigues, estudante de Medicina Veterinária no Centro Universitário de Jaguariúna (UniFAJ), teve início em julho deste ano e foi apresentado na última semana no Congresso Nacional de Iniciação Científica, na UNIP Pinheiros, em São Paulo.

A mastite é uma doença que causa infecção e inflamação nas glândulas mamarias das vacas. Conforme explica a autora da pesquisa, essa moléstia ocasiona perda econômica do rebanho, e consequente prejuízo ao produtor. “Quando o animal apresenta mastite, o leite começa a ser produzido com alto teor de célula somática e não é autorizado para venda, conforme o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), prioriza”, explica Luana.

A tecnologia do termovisor consegue identificar a temperatura superficial da pele do bovino. Segundo Luana, o aumento da temperatura é um dos sintomas quando ocorre a inflamação das glândulas mamárias. “A ferramenta da Fluke é utilizada no momento de medir o grau de temperatura das regiões em questão. Se a temperatura estiver mais elevada em relação ao resto do corpo, significa que existe uma inflamação, e a mastite é diagnosticada”, afirma.

O Gerente de Produtos de Termografia da Fluke, Carlos Rubim, acredita que a termografia, atualmente, pode ajudar em diversos setores, não apenas na engenharia. “O objetivo da Fluke é colaborar cada vez mais com pesquisas e estudos que beneficiem diversos segmentos. A alta tecnologia de nosso termovisor permite mensurar a partir da emissão de raios nos bovinos, as mudanças na temperatura corporal e cabe ao profissional fazer bom uso do equipamento”, comenta.

A pesquisa resultou na confirmação de 74 animais positivos e concluiu que a termografia pode ser utilizada no auxílio do diagnóstico da doença, pois possui alta capacidade de diagnóstico preditivo semelhante aos testes Caneca de Fundo Preto (CFP) e California Mastits Test (CMT). É importante ressaltar que esse diagnóstico ocorre antes que o animal apresente qualquer sintoma clínico ou alteração física no leite.