Santa Catarina avança na produção de carne bovina

COMPARTILHAR

Com o objetivo de reunir os produtores rurais participantes dos 28 grupos do Programa de Assistência Técnica e Gerencial (ATeG) em Pecuária de Corte o Sistema Faesc/Senar-SC promove o 1º Dia de Campo Estadual do Programa de Desenvolvimento da Bovinocultura de Corte de Santa Catarina. O evento será realizado em parceria com o Sebrae e está programado para esta sexta-feira (19), às 9 horas, na sede da Fazenda Araucária, na comunidade de Cambará, em Bom Retiro, na serra catarinense. O diretor-geral do Senar Daniel Carrara e o diretor-superintendente do Sebrae/SC Carlos Guilherme Zigelli participarão do evento.

A programação iniciará às 9 horas com recepção e credenciamento de cerca de 800 produtores os quais serão divididos em grupos para as visitas de campo que começam às 09h30 na Fazenda Araucária e seguem até às 12 horas.  Os produtores rurais conhecerão a propriedade e os avanços técnicos produtivos trazidos com o projeto no manejo da pastagem, integração lavoura-pecuária, melhoramento do campo nativo e genética.

“A intenção é demonstrar os avanços já alcançados e trazer informações atualizadas sobre gestão rural, manejo adequado, genética, nutrição, instalações das propriedades, entre outros assuntos ligados a produção de bovinos de corte”, explica o superintendente do Senar/SC, Gilmar Antônio Zanluchi.

Às 12 horas o presidente do Sistema Faesc/Senar José Zeferino Pedrozo apresentará os resultados do programa e às 13 horas ocorre encerramento seguido de almoço. O programa tem como objetivo proporcionar evolução no nível de gestão, aumento da produção com o incremento da renda líquida, melhorias na nutrição e no padrão racial dos bovinos de corte. Os 28 grupos pertencem a 27 Sindicatos Rurais e abrangem 73 municípios em todo o estado.

De acordo com o coordenador do programa em Santa Catarina Antônio Marcos Pagani de Souza a metodologia desenvolve um trabalho de apoio aos produtores para melhorar a gestão da atividade, a nutrição dos rebanhos e a eficiência na produção de carne. “Além disso, com o protocolo de Inseminação Artificial por Tempo Fixo (IATF), desenvolvido por meio de parceria com o Sebrae, registramos avanço no número de vacas prenhes de 41% para 69%. Isso interfere diretamente na qualidade da produção e possibilita incremento de mais de 10% no valor de comercialização dos animais. Esses resultados demonstram que a produção de gado de corte é tão rentável quanto outras cadeias produtivas”, observa.

O presidente do Sistema salienta que a intenção é que, por meio da ATeG, os produtores rurais tenham cada vez mais eficiência tornando-se competitivos também no mercado de carne bovina, uma vez que, atualmente, Santa Catarina ainda precisa comprar carne de outros Estados. “Quanto mais investirmos em profissionalização, melhor preparados estarão os produtores para oferecerem ao mercado interno um produto de qualidade e, posteriormente, pensarem também em produzir para exportar uma vez que temos um importante diferencial sanitário como área livre de febre aftosa sem vacinação”, complementa.

A ATeG em pecuária de corte está presente nas regiões do planalto serrano, oeste, norte, meio oeste, extremo oeste e sul. A supervisora estadual do ATEG Pecuária de Corte, Paula A. Dias Coimbra Nunes esclarece que a iniciativa é totalmente gratuita aos produtores rurais, os quais são beneficiados com uma visita técnica e gerencial por mês pelo período de dois anos. As visitas têm foco na transmissão de conhecimentos relacionados à gestão das empresas rurais e técnicas de manejo voltadas às atividades pecuárias.

Equipe de trabalho do Sistema Faesc/Senar no desenvolvimento da pecuária de corte em Santa Catarina