Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde recebe inscrições até abril

COMPARTILHAR

A sexta edição do Prêmio Roche de Jornalismo em Saúde, idealizado pela Roche em parceira com a Fundação Gabriel García Márquez para o Novo Jornalismo Ibero-americano (FNPI), está com as inscrições abertas até o dia 04 de abril. Serão premiadas reportagens originais em espanhol ou português nas categorias Rádio e Internet, veiculadas durante o ano de 2017. As inscrições devem ser realizadas pelo site. Os trabalhos jornalísticos precisam ter enfoque em, ao menos, um desses temas: Inovação nos cuidados da saúde; Biotecnologia em saúde; Acesso a cuidados de saúde; Investigação e desenvolvimento nos temas de saúde; Regulamentação e políticas públicas de saúde; Oncologia.

Os vencedores serão anunciados durante o Roche Press Day, fórum educativo de jornalismo científico e de saúde, organizado todos os anos pela Roche. Em 2018, o evento acontece em julho, na cidade de Cali, Colômbia. Os ganhadores do Prêmio poderão escolher entre uma bolsa, com todos os custos pagos, para assistir a um workshop internacional da FNPI ou participar do Festival Gabo em Medellín, na Colômbia.

Além disso, haverá uma novidade nesta edição. “Pela primeira vez neste ano daremos uma menção honrosa à excelência jornalística para trabalhos relacionados com o acesso a cuidados de saúde, que é um tema crucial para a América Latina. Com isso, reconhecemos o papel dos jornalistas na difusão de uma informação de qualidade e que contribua para um panorama melhor em saúde”, conta Michelle Medeiros, diretora regional de Comunicação Corporativa da Roche América Latina.

Segundo Ricardo Cure, diretor-executivo da FNPI, “a sexta edição do Prêmio se concentra pela terceira vez no rádio e na internet, duas plataformas importantes na região.” Cure acrescenta ainda que o rádio segue sendo uma mídia importante nos nossos países e que o acesso à internet vem crescendo de maneira sustentável. “Essa é uma oportunidade para que os jornalistas focados em saúde possam compartilhar o conteúdo relevante, e de qualidade, que produzem na região”, diz.