Consumo, tradição e nostalgia em tempos pós-covid é tema de palestra do Grupo RBS no Maximídia 2020

172
COMPARTILHAR

Nos últimos anos, os consumidores passaram a valorizar fortemente as tradições culturais, os rituais coletivos e o retorno às origens. De que forma a pandemia que estamos atravessando interfere nesse contexto? Esses valores podem impactar nos hábitos de consumo no mundo pós covid-19? Buscando responder a esses e outros questionamentos, o Grupo RBS marcou presença na 34ª edição do Maximídia por meio do painel “Juntos e Separados: Consumo, Tradição e Nostalgia em Tempos Pós-Covid”.

A palestra, que ocorreu nesta segunda-feira (28), foi mediada pelo antropólogo e sócio-fundador da Consumoteca, Michel Alcoforado. Durante o encontro, ele desmistificou a ideia de que, após a vacina, tudo voltará a ser como era:

“Quando olhamos outras pandemias que fizeram parte do nosso universo e da história da humanidade, percebemos que jamais o mundo saiu do mesmo jeito. Pandemias são como traumas. Elas se inscrevem na cultura, nos corpos e nas mentes de todos aqueles que atravessaram esse período, e a gente acaba virando outra coisa”, afirmou Michel.

Segundo ele, isso ocorre porque os traumas estão ligados a experiências de rupturas abruptas. Esse contexto resulta em um efeito DAD, marcado por Desmaterialização (possibilidade de diminuir a dependência de todo e qualquer comportamento, produto ou serviço), Assepsia (necessidade de um mediador de segurança nas interações com marcas e produtos) e Descontextualização (fim dos rituais coletivos e da relação entre tempo, espaço e comportamento que estávamos acostumados).

Esse efeito é responsável pela sensação de que viramos imigrantes dentro do nosso próprio ecossistema social. E é nesse contexto que entendemos a força das tradições: a maneira como os gaúchos lidam com o DAD pode servir de inspiração para ajudar a entender o comportamento de consumo daqui para frente.

“Os gaúchos estão há muito tempo em um ciclo migratório muito forte e têm mantido suas tradições e o jeito gaúcho de ser independente do lugar onde estejam ou da forma como vivem”, destaca Michel.

Para os gaúchos espalhados pelo mundo, o efeito DAD tem um significado diferente, ainda que as siglas representem as mesmas palavras. Descontextualização, nesse caso, é sinônimo de apelo a rituais tradicionais; Assepsia indica contar com veículos, influenciadores e marcas com reputação para garantir a segurança; e a Desmaterialização é substituída pelo consumo por identificação: “Os nossos consumidores, e nós mesmos, cada vez mais, teremos que fazer parte de verdadeiros ecossistemas que consigam, dentro de um mesmo lugar, construir esse tripé e permitir que eu me relacione com esse ambiente, não importa onde eu esteja”, finaliza.