Pandemia muda formato das feiras agrícolas

194
COMPARTILHAR

A pandemia de Covid-19 teve fortes impactos nas feiras do agronegócio brasileiro em 2020. Com as proibições de aglomerações e as dificuldades impostas às viagens e alojamentos, vários eventos foram cancelados ou adiados. Outros tiveram de adotar o formato on-line para serem realizados. No entanto, para 2021, vários organizadores das principais feiras agropecuárias nacionais já informaram que devem realizar eventos presenciais.

No Rio Grande do Sul, o principal evento do agronegócio, a Expointer, que em 2020 celebraria os 50 anos do Parque de Exposições Assis Brasil, em Esteio, sofreu com vários meses de indecisão, com governo e entidades organizadoras debatendo sobre a conveniência de realizar a feira durante a pandemia. Depois de muitos debates, a Expointer acabou sendo realizada um mês depois do previsto, de 26 de setembro a 4 de outubro, em uma versão que fez forte uso do modelo virtual.

A chamada Expointer Digital 2020 contou apenas com leilões e provas de animais no parque, que foram transmitidos pela internet em quatro canais. Foram exibidas mais de 300 horas de conteúdo audiovisual, com transmissão ao vivo de 47 eventos, entre julgamentos, provas, seminários e lançamentos. As provas e julgamentos tiveram 35 transmissões, que cobriram todas as suas etapas. Na agenda cultural, uma tradição da Expointer, foram 60 apresentações de artistas gaúchos.

Além disso, desde o dia 29 de agosto foi realizada a plataforma de negócios Expointer Digital Máquinas Agrícolas, organizada pelo o Sindicato das Indústrias de Máquinas e Implementos Agrícolas do Rio Grande do Sul (Simers). Segundo a entidade, foram contabilizados mais 70 mil acessos, de 38 países e de todo o Brasil.

A única programação que contou com a presença de visitantes foi o Drive Thru da Agricultura Familiar. O espaço, que contou 55 agroindústrias, podia ser acessado por motoristas, que não precisavam deixar seus carros para comprar produtos coloniais. O número de carros visitantes foi estimado em 2,1 mil. Segundo balanço da Federação de Trabalhadores na Agricultura do RS (Fetag-RS), houve faturamento de R$ 400 mil. O valor representou 10% do que foi comercializado em 2019, confrontou a federação. Em 2019, foram R$ 4,54 milhões em vendas.

O exemplo da Expointer Digital acabou formando um modelo que foi adotado com sucesso por outras feiras agrícolas gaúchas. A Expofeira de Pelotas, segundo maior evento agropecuário do Estado, realizou sua programação, de 5 a 12 de outubro, através de uma plataforma imersiva que simulava o parque Ildefonso Simões Lopes, sede da Associação Rural de Pelotas.

Os julgamentos e leilões de animais foram realizados presencialmente no parque, respeitando restrições sanitárias, e transmitidos ao vivo pela plataforma. Outros eventos e conferências foram organizados em formato virtual. No total, houve mais de 80 mil visualizações na página da Expofeira, que registrou a comercialização de 300 animais, com um valor somado de vendas de R$ 3,5 milhões – 40% a mais do que o ano passado. Assim como na Expointer, os produtores da agricultura familiar também contaram um drive thru durante três dias. Os 20 expositores registraram vendas superiores a R$ 17 mil.

A Expoagro Afubra prevista para ocorrer entre 18 e 21 de março, em Rio Pardo, foi cancelada 5 dias antes

De 10 a 16 de outubro, Santana do Livramento também realizou sua Expofeira, em um formato apenas comercial, sem presença de visitantes. Com uma programação restrita aos leilões das raças Hereford, Braford, Angus e Brangus, o acesso ao local de remates foi permitido apenas às pessoas identificadas com pulseiras, distribuídas pelas propriedades que fizeram remates. Mas, com o objetivo de possibilitar que o maior número de pessoas possa assistir às vendas, também foi montada uma tenda ao ar livre com telão.

Mesmo com as restrições, a Expofeira de 2020 em Santana do Livramento entrou para a história como a de maior arrecadação em remates em todas as suas 82 edições organizações. Foram alcançados mais de R$ 7,9 milhões na venda de mais de 600 animais dos criatórios do município.

Para 2021, eventos presenciais já estão confirmados
Com o estabelecimento de protocolos sanitários para a realização de eventos em vários estados, diversas feiras agrícolas já confirmaram que terão modelos presenciais em 2021. Uma das primeiras será a Show Rural Coopavel, que acontece de 1º a 5 de fevereiro em Cascavel, no Paraná. Pelo menos 300 empresas já confirmaram participação na feira, voltada à disseminação de novas tecnologias para o campo, vai ser realizado de 1º a 5 de fevereiro de 2021, em Cascavel, no Oeste do Paraná.

No evento de 2020, houve 550 expositores e quase 300 mil visitantes. Devido à pandemia, a edição de 2021 terá 20% a 30% de expositores a menos “para melhor distribuição de todos e também mais área disponível para os visitantes”, explica Dilvo Grolli, presidente da Coopavel Cooperativa Agroindustrial.

O formato da 33ª edição do Show Rural será híbrido (online, com transmissão pela inédita TV Show Rural Coopavel, e presencial, com público reduzido. Os deslocamentos das pessoas pelo interior do parque ocorrerão, pela primeira vez, em ruas com sentidos únicos. Serão adotados cuidados especiais no restaurante, também observando regras de distanciamento segundo protocolo dos órgãos de saúde. “Vamos tomar todos os cuidados desde a chegada dos visitantes, com aferição da temperatura corporal, higienização/disponibilidade de álcool em gel em todo o parque – que tem 720 mil metros quadrados”, explica Grolli. Os ônibus que transportarão visitantes de municípios vizinhos até o parque terão que obedecer ao distanciamento interno. Além disso, o Show Rural não terá palestras ou qualquer outro evento em ambientes fechados.

No Rio Grande do Sul, a primeira grande feira prevista em modelo presencial é a Expodireto, que acontece em Não Me Toque, de 1º a 5 de março de 2021. A cooperativa Cotrijal já está elaborando, em conjunto com o governo do Estado, uma série de protocolos com regras de segurança, a fim de preservar a saúde de expositores, visitantes e trabalhadores que circularem pelo parque.

Segundo o presidente da Cotrijal, Nei César Manica, a organização da feira trabalha a possibilidade de um formato híbrido, com parte das atividades acontecendo de forma virtual. “Temos que começar a desenvolver os protocolos de como seria o evento presencial para informar aos expositores e demais parceiros. Por ser um evento em ambiente aberto, já temos regras, como não ter almoço e bebidas alcoólicas nos estandes e não ter shows”, avaliou Manica.

A Expointer acabou sendo realizada um mês depois do evento previsto, quase toda no sistema virtual

Realizada de 2 a 6 de março de 2020, a última edição da Expodireto ocorreu logo antes de iniciarem as restrições de movimentação de pessoas e de atividade econômicas devido à pandemia de Covid-19. Neste ano, a feira recebeu um público de 256 mil visitantes, e alcançou a comercialização de R$ 2,653 bilhões, 10% a mais que em 2019.

Já a Expoagro Afubra não teve a mesma sorte. Prevista para ocorrer entre 18 e 21 de março, em Rio Pardo, o evento voltado para a agricultura familiar foi cancelado cinco dias antes de seu início. Na época, a Associação dos Fumicultores do Brasil (Afubra), entidade organizadora da feira, destacou que eram necessários esforços para conter a escalada da doença e proteger a população, evitando aglomerações de pessoas, já que era esperado um público de aproximadamente 150 mil pessoas nos quatro dias do evento.

Agora, a 20ª Expoagro Afubra está marcada para ocorrer entre 17 e 20 de março de 2021. “Todos os contratos foram resolvidos e, para nossa alegria, a grande maioria das empresas já garantiu seu lugar na feira de 2021”, explica o coordenador geral da feira, engenheiro agrônomo Marco Antonio Dornelles.

Maior feira de tecnologia agrícola do Brasil, a Agrishow, de Ribeiro Preto (SP) também foi cancelada em 2020. O evento, que era previsto para ocorrer de 27 de abril a 1º de maio, foi inicialmente postergado, com planos para retomada em agosto. No entanto, em junho acabou sendo confirmada sua realização de 26 a 31 de abril de 2021.

Em um mesmo ambiente, foi possível também visitar a vitrine de produtos e serviços, fazer networking e participar dos eventos de conhecimento

Entre 14 e 18 de setembro, a organização da feira chegou a fazer um teste de evento on-line com a realização da Agrishow Experience, onde os participantes puderam, através de uma plataforma digital, visitar uma vitrine de produtos e serviços, fazer networking e participar de debates. Com aproximadamente 6 mil participantes, o evento contou com 20 horas de conteúdo ao vivo e gravado.

Em 2019, a Agrishow movimentou R$ 2,9 bilhões em negócios, alta de 6,4% ante 2018. O público da feira foi de 159 mil pessoas.