Junto a agricultores locais da Serra Catarinense, Cervejaria Ambev lança projeto de incentivo à cultura de lúpulo na região

335
COMPARTILHAR
É na região do Sul do Brasil, na Serra Catarinense, que está nascendo um projeto para incentivar a produção brasileira de lúpulo, ingrediente essencial para a produção da cerveja, com troca de conhecimento entre pequenos produtores locais, a comunidade e a Cervejaria Ambev. Ainda produzido em pequenas quantidades no país por se desenvolver favoravelmente em climas frios, o cultivo dessa planta já é feito em baixa escala em fazendas da Serra Catarinense. Para fomentar o aumento da produção para atender ao mercado nacional cervejeiro de forma mais significativa e com impacto para o desenvolvimento da agricultura local, a Cervejaria Ambev anunciou um projeto, em Lages, com iniciativas que vão desde auxílio técnico para os produtores até utilização de uma planta piloto e viveiro de mudas para a realização de testes de manejo e de variedades.
Na última semana, em Lages, um encontro com produtores e lideranças locais marcou a abertura da colheita de lúpulo na região e a apresentação desse projeto, incluindo o anúncio da construção de uma estrutura piloto dentro da unidade da Cervejaria Ambev na cidade. “Estamos muito felizes com a oportunidade de aprender mais e em compartilhar nosso conhecimento com os agricultores da região. Esses produtores já têm as boas práticas de manejo a partir das condições de solo e clima do local, e vamos contribuir para que eles possam testar outras técnicas e variedades, aumentando a escala de produção. O lúpulo, assim como como o malte, a levedura e a água, são nossa matérias-primas fundamentais e queremos que esse projeto colaborativo proporcione a todo o ecossistema cervejeiro a descoberta de novos sabores e aromas para a bebida, além de contribuir para o desenvolvimento regional”, conta a Gerente da Cervejaria Ambev de Santa Catarina, Aline Trindade.
Uma das características mais fascinantes do lúpulo é a imensa variedade de aromas que pode conferir à cerveja. Suas propriedades vão além. É também um conservante natural e tem propriedades antioxidantes. A região em que é cultivada, as características climáticas, propriedades do solo e até o momento da colheita podem interferir no perfil da flor. Hoje, o Brasil é um exemplo de mercado que importa praticamente todo o lúpulo utilizado por suas cervejarias e esse projeto tem o potencial de contribuir para o avanço do cultivo da planta, como também para chegar em variedades nacionais que transmitam a identidade do Brasil.
Mês de março é marcado pela colheita de lúpulo
Na Argentina, reconhecida por ser um dos grandes produtores dessa flor, é também época de colheita. A região da Chacra General Fernandez Oro é privilegiada para esse tipo de plantio, contando com o clima e solo ideal para o crescimento dos lúpulos. Nela, são plantadas diversas variedades, incluindo as regionais como o Victoria e Nugget, assim como algumas cepas exclusivas da marca, como os lúpulos Nahuel, Mapuche e Trafu. Essas variedades estão na época ideal para serem colhidas e serão utilizadas na produção dos rótulos da Cerveza Patagonia, ícone local e motivo de orgulho para os argentinos. A história da Cerveza Patagonia começou em 2006 com a produção da primeira Amber Lager por um mestre-cervejeiro da Cervejaria Ambev, e desde então ampliou o número de rótulos, sempre prezando pela qualidade e experiência cervejeira.