ACAV prevê cenário positivo para a avicultura brasileira em 2020

86
COMPARTILHAR

O presidente da Associação Catarinense de Avicultura (ACAV) José Antônio Ribas Júnior aposta que o Brasil vai liderar o agronegócio mundial. O ano recém-encerrado foi bom para o setor em razão, principalmente, das gigantescas compras de carnes feitas pela China. Esse quadro vai permanecer em 2020, mas adverte que “é uma situação episódica que não vai durar para sempre”. Por isso, recomenda cautela na ampliação da produção.

O dirigente realça que “somos competitivos em custo, temos competências ambientais inquestionáveis, somos uma avicultura livre dos problemas sanitários que afetam nossos concorrentes e sabemos produzir com qualidade”. Por isso, os investimentos devem ser feitos na marca Brasil e no valor agregado dos produtos.

“Fechamos 2019 com um saldo positivo, comparativamente com os anos de 2017 e 2018. Se considerarmos as expectativas e potencialidades do setor, podemos afirmar que estamos em recuperação. Voltando a ocupar espaços e tamanho que já foram nossos. Os últimos anos foram intensos, difíceis e com alguns dolorosos episódios. Entretanto, este último ano foi de retomada. Vejamos alguns sinais:  voltamos a crescer nas exportações, ainda que em percentuais inferiores aos inicialmente projetados, a produção interna cresceu e temos um mercado interno que deve começar a se firmar. O desafio está no fato de que precisamos recuperar a rentabilidade e, assim, modernizar o parque industrial, investir em melhorias e ampliações para o atendimento de novas e melhores demandas. Também é importante dar retorno a todos que investem nesta cadeia de produção. Estes são pilares importantes que o ano de 2019 começou a construir e precisamos continuar em 2020” destaca Ribas.

Sobre as perspectivas para este ano, o presidente da ACAV diz que “Nossos representantes políticos precisam aprovar as reformas tão necessárias para o País. Um pacto de modernização tributário, administrativo e político é necessário. A bandeira é uma só: temos que crescer criando riquezas, isso gera novos empregos, empregos geram mais riquezas, ou seja, a roda da economia gira e todos ganham. Estas são forças de inclusão social e econômica. A partir disso os investimentos em educação, saúde e todos os demais serão viabilizados. Por consequência teremos um mercado interno forte. Este é o combustível para o País crescer e se desenvolver. Somos um País rico em recursos, que precisa se tornar rico em desenvolvimento humano. Estamos entrando em um novo ciclo de prosperidade. Todos nós precisamos cumprir nosso papel de cobrar ações rápidas e assertivas de nossos governantes e legisladores” finaliza Ribas.