Seminário da Cotrijal debate tendências do Agro

620
COMPARTILHAR

Diante da instabilidade da economia e com o mercado de commodities cada vez mais criterioso, torna-se ainda mais necessário que o produtor esteja atento e bem informado sobre a dinâmica do setor agrícola. Para debater sobre Cenários e tendências do Agro, o 17º Seminário dos Líderes de Núcleo da Cotrijal reúne líderes de núcleo, conselheiros, gerentes, superintendentes e a direção, de 23 a 25 de abril, em Bento Gonçalves, na Serra Gaúcha.

Na abertura do evento, nesta segunda, 23, a direção da cooperativa reforçou a necessidade do produtor ficar atento às tendências do Agro e impactos de cadeias produtivas como a soja e o milho para tomar a melhor decisão frente a oscilações e ‘guerras’ de mercado. “Além de alinhar processos e fortalecer o grupo, o seminário traz informações que também possam contribuir com os negócios do associado”, pontuou Mânica. O vice-presidente, Enio Schroeder, esteve à frente da organização de todos os seminários e destacou que a evolução e o crescimento da liderança são visíveis.

A programação do primeiro dia teve apresentação dos superintendentes das três unidades de negócios e duas unidades de apoio que centralizam todo o trabalho da Cotrijal, atualizando os líderes sobre a gestão e as metas futuras de cada área. Falaram os superintendentes de Produção Agropecuária, Gelson Melo de Lima; Comercial, Jairo Marcos Kohlrausch; de Varejo, Valcir Zanchett; de Operações, Laídes Porto Alegre; e Administrativo-Financeiro, Marcelo Ivan Schwalbert.

Nesta terça, 24, os trabalhos seguem com a palestra Cenários e Tendências do Agro do diretor da Markestrat, José Carlos de Lima Júnior. Para o especialista, o produtor não pode focar apenas nos assuntos de dentro da porteira e esquecer de fatores externos para os quais deve estar preparado. “Preocupar-se apenas com a produção já não é mais o suficiente, visto que o cenário atual exige que o produtor esteja atento a todos os fatores que envolvem o negócio. E aí que o líder pode fazer a diferença. Ter discernimento no trato com os variados perfis e também nos negócios para defender o barco e não só a proa. A musculatura da Cotrijal passa por essa fidelidade e confiança do produtor e quadro social”, enfatizou.