Oeste fortalece produção de uvas

COMPARTILHAR

Aumentar a produtividade com melhorias no processo de produção nos vinhedos por meio de técnicas de adubação e controle de pragas, incentivar a instalação de novas videiras e aperfeiçoar a qualidade dos vinhos produzidos com a aplicação de consultorias individuais e coletivas para aplicar técnicas modernas de cultivo e processamento de uvas. Este é o foco Programa SEBRAEtec de consultoria tecnológica que atende 74 produtores através de parceria entre Sebrae/SC e Prefeituras nos seguintes municípios do oeste catarinense: Pinhalzinho, Serra Alta, Saudades, Modelo, Nova Erechim, Quilombo, Paial, Ponte Serrada, Formosa do Sul e Xanxerê.

O coordenador regional oeste do Sebrae/SC, Enio Albérto Parmeggiani, observa que a produção de uva e vinho é de grande relevância para o desenvolvimento econômico regional. “O programa surgiu para aperfeiçoar os procedimentos utilizados no cultivo da uva e produção de vinho, implantar inovações e adequar as instalações, equipamentos e utensílios conforme as normas exigidas pelo Ministério da Agricultura”.

O enólogo e consultor credenciado ao Sebrae/SC, Fabio Ecco, fala sobre os expressivos resultados nesses dois anos de projeto e menciona, entre os exemplos, o município de Paial, que em 2017 fez boa renovação com plantio com 2.500 mudas de uva bordô e cerca de 2.000 porta-enxertos. Em 2018 foram implantados 3 hectares de pomares com aproximadamente 7.500 plantas da variedade bordô. A videira começa a ser produtiva a partir do 3° ano de sua implantação.

O secretário de agricultura do município de Paial, Fábio Theobald, realça que a parceria entre Prefeitura e Sebrae/SC oportunizou atender 10 produtores locais. “Iniciamos o SEBRAETEC no início de 2017 em função da necessidade de uma assistência com trabalho especial de técnicos da área. O primeiro passo foi analisar os pomares juntamente com o enólogo, o que permitiu constatar que estavam bastante debilitados. Em seguida, foi feita avaliação de solo para verificar as necessidades para recuperação dos pomares”, relata.

O trabalho prosseguiu com consultorias mensais. “No primeiro ano, a prioridade foi controlar doenças e pragas. Também havia variedades que precisavam ser substituídas em função da baixa qualidade e, com isso, foram feitas trocas de mudas, substituindo parreiras. No segundo ano os resultados começaram a aparecer. Os pomares ficaram mais bonitos, com novas variedades e o rendimento também vem aumentando. Ainda temos muito a fazer, mas podemos dizer que colhemos uvas com qualidade, tendo pomares recuperados, solos tratados e doenças controladas”, enfatiza o secretário.  Isso foi possível em função da assistência técnica especializada que auxiliou nas mudanças.

Fotos/Crédito: Fabio Ecco