Ideal K+K Strategies cria marca fictícia @artigo 149 para campanha #SomosLivres

COMPARTILHAR

Para conscientizar a população sobre a importância de erradicar o trabalho escravo, a Ideal H+K Strategies criou neste ano como mote principal da campanha #SomosLivres a marca fictícia @artigo 149, com o apoio com a Justa Trama e o Instituto Alinha.

Desde 1995, o Estado brasileiro já efetuou mais de 53 mil resgates de trabalhadores em condições degradantes, jornada exaustiva, servidão por dívida e trabalho forçado, conceitos básicos que definem trabalho análogo ao de escravo, segundo o artigo 149 do Código Penal Brasileiro. O setor da moda e confecção é um dos responsáveis pela exploração de trabalhadores.

#SomosLivres é uma campanha realizada pelo Ministério Público do Trabalho e pela Comissão Nacional para a Erradicação do Trabalho Escravo (Conatrae). Seu objetivo é esclarecer para a população brasileira que trabalho escravo contemporâneo é uma grave violação dos direitos humanos, ferindo diretamente a liberdade e a dignidade de trabalhadores. A campanha defende o conceito brasileiro que caracteriza esse crime – reconhecido internacionalmente como um dos mais avançados no mundo – que é constantemente ameaçado por projetos em tramitação no Congresso Nacional.

Neste ano, onde nosso país foi palco de um cenário eleitoral de extrema polarização, o desafio da Ideal HKS foi fazer esse tema entrar em debate e ficar visível à população. Para isso, foi desenvolvido narrativa 360o para a campanha #SomosLivres, que teve investimento em anúncios impressos, mídia de performance, além de visibilidade com o perfil @artigo149, na rede social Instagram.

Aliado a isso, a agência criou para a marca fictícia @artigo149 camisetas que foram distribuídas, como de praxe, no universo fashion, na versão de “recebidos”, kits presenteáveis para influenciadores digitais, celebridades e jornalistas. Nessa ação de influência da agência a ideia foi engajar as personalidades usando as camisetas que têm como propósito explicar que condições de trabalho são tão relevantes quanto a ausência de liberdade.

No Instagram, no @artigo 149, os seguidores podem conferir um perfil-release com todas as iniciativas da campanha, incluindo a Carta-Compromisso contra o Trabalho Escravo – documento que foi enviado a todos os candidatos à Presidência da República, cobrando o comprometimento com o tema, bem como a renúncia da pessoa eleita, caso esse crime seja constatado em suas empresas.

“Por mais que o combate ao trabalho escravo tenha ligação direta com ações políticas, a luta por condições de trabalho dignas extrapola esse universo. É uma causa humanitária. Em #SomosLivres, a @artigo149 utiliza a moda como plataforma para engajar pessoas que normalmente não se relacionariam com esse tipo de temática, ajudando a disseminar a importância da sociedade como agente nesse combate.” diz Lucas Bergallo, diretor de criação.

#NãoSomosEscravosdaModa

Para gerar engajamento nas redes sociais, celebridades, jornalistas e influenciadores produziram vídeos falando sobre a importância do combate do trabalho escravo na moda. Todos eles foram veiculados nas redes sociais com a #NãoSomosEscravosdaModa. Participaram personalidades como Lilian Pacce, Astrid Fontenelle, Fernanda Motta, Fernanda Paes Leme, entre outros.