Fartura e sabores inusitados movimentam agroindústrias

COMPARTILHAR

Do suco tradicional a produtos mais sofisticados. A diversidade de sabores, aromas e guloseimas caseiras, de diferentes regiões do Estado, torna o Pavilhão da Agricultura Familiar um dos espaços mais cobiçados pelos visitantes da Expodireto Cotrijal.

Estreando na feira, a Agroindústria Aura Verde, de Pelotas, trouxe conservas de cebola caramelizada com vinho tinto seco, pasta de berinjela e uma iguaria com sabor inusitado: o hambúrguer de cogumelos, em parceria com a Agroindústria Colonial Funghi, também de Pelotas. “É tipo vegano, sem glúten e sem conservantes”, adiantou o proprietário Jonathas Malafaia Rivero. Além da linha gourmet, a agroindústria está desenvolvendo uma linha de patês vegetais sem glúten.

Na Expodireto tem espaço também para o artesanato. “Aqui a gente divulga o nosso trabalho é valorizado e encontra até parentes”, falou o índio Guarani Merong Tapurumã, referindo-se aos familiares da tribo Macuxi, de Roraima, que vieram visitar a feira. Essa é a terceira vez que ele expõe na Expodireto. Além de Merong, mais oito indígenas das comunidades Guarani de Erebango, Guarani de Maquiné, de Nonoai, de Iraí e da Lomba do Pinheiro, em Porto Alegre, participam da mostra.

Em 2018, os negócios no pavilhão ultrapassaram R$ 1 milhão. “A Expodireto é uma grande vitrine. Representa safra cheia para as agroindústrias. A expectativa é das melhores”, afirmou o assessor de Política Agrícola e Agroindústria da Fetag/RS, Jocimar Rabaioli, na organização do espaço desde 2008.

Este ano, são 182 estandes, sendo 142 de agroindústrias e 40 de artesanatos, plantas e flores. O Pavilhão é organizado por meio de uma parceria entre a Cotrijal, Secretaria de Desenvolvimento Rural e Cooperativismo (SDR), Emater/RS-Ascar, Fetag e Fetraf.

Fonte: Assessoria de Imprensa da Expodireto Cotrijal