E-Commerce Brasil: 53,8% das empresas pretendem aumentar investimentos em publicidade e marketing digital no segundo semestre

225
COMPARTILHAR

Pesquisa realizada pela Adtail, agência de marketing digital especializada em performance e inteligência de dados, em parceria com o portal E-Commerce Brasil, apontou que 53,8% das empresas entrevistadas pretendem aumentar o investimento em publicidade e marketing digital no segundo semestre. Outros 26,6% das companhias irão manter os investimentos atuais, enquanto 19,6% devem diminuir os valores destinados a essas áreas. Foram ouvidas 143 empresas de mais de 20 segmentos entre os dias 16 e 21 de agosto.

A pesquisa também quis saber qual a expectativa de vendas totais dessas empresas no segundo semestre, incluindo lojas físicas e virtuais. Entre as companhias ouvidas, 64,4% afirmaram que pretendem atingir ou superar as metas, enquanto 36,6% não devem alcançar o que foi planejado.

Com a retomada gradual da economia, o otimismo é ainda maior em relação às vendas online: 72% afirmaram que a expectativa é de crescimento em relação ao primeiro semestre. Já 15,5% disseram que devem manter o mesmo volume, enquanto uma parcela menor (12,6%) acredita em queda nas vendas. Em relação a uma eventual expansão de estoques ou da operação no segundo semestre, 58% afirmaram ter planos moderados, 24,5% disseram que pretendem ser mais arrojados e 17,5% não têm qualquer plano de crescimento.

A expansão e consolidação do comércio online na pandemia deu um novo ânimo a muitas empresas. A pesquisa quis saber se os entrevistados concordavam com a frase “nos últimos meses descobrimos e/ou comprovamos maior potencial online e isso interferiu no planejamento do segundo semestre”. 54,5% concordaram, enquanto 37,8% afirmaram estar totalmente de acordo.

Para Adriana Campos, CEO da Adtail, os resultados refletem uma tendência que veio para ficar. “Muitos perceberam que é impossível seguir seu negócio sem uma estratégia digital clara. Quem só trabalhava com loja física foi obrigado a apressar sua chegada ao online. E quem já atuava viu, no geral, as vendas aumentarem nos últimos meses”, afirma.

Segundo a executiva, a pandemia acelerou a digitalização de muitas marcas, especialmente em comércios regionais, que relutavam em entrar no digital ou mesmo em atuar como planos mais agressivos de venda, usando estratégias de marketing digital. “Muitos processos foram antecipados por uma questão de sobrevivência das empresas. Quem ganha é o consumidor, que terá cada vez mais opções nos mais diversos segmentos”, analisa.