Ácidas e com mercado certo

COMPARTILHAR

A produção de bergamotas e cítricos como laranjas e limões teve alta em 2018. O Vale do Caí, próximo da Região Metropolitana de Porto Alegre, concentra 40% da produção gaúcha. Na região, foram colhidas 160 mil toneladas de frutas, sendo a maior parte bergamotas (107 mil toneladas), laranjas (48 mil toneladas) e limões (5 mil toneladas).

Apenas em São Sebastião do Caí, foram plantados mais de 800 hectares neste ano, com um rendimento de 16 mil toneladas das frutas. São 200 citricultores no município. Em 2008, a área plantada era praticamente a metade, com 480 hectares.

Segundo a Emater, o crescimento ocorreu após a implantação de novos pomares e o acesso permanente, dos agricultores, à assistência técnica. Os 60% restantes da produção de citros estão divididos entre a Fronteira Oeste, outras cidades da região Metropolitana e nas demais regiões do Estado.

A produção de citros de mesa sem sementes, principalmente de laranjas de umbigo e de bergamotas, fora da época tradicional, tem se mostrado uma alternativa viável para os agricultores, já que o aumento no consumo de frutas é uma tendência mundial.

No limão, destaque para a variedade Taiti, muito utilizado na gastronomia. Mas seu maior aproveitamento acontece na produção de suco concentrado. A indústria de suco utiliza 40% a 50% do fruto, sendo o restante considerado resíduo industrial.

Mas, mesmo dali, tudo se aproveita. Os restos do limão possuem pectina, vitamina C e fibras, itens necessários nas indústrias alimentícia, farmacêutica e de rações. O óleo essencial da casca é produto altamente valorizado, com uso amplo na indústria farmacêutica e de refrigerantes.

Para uma safra boa, é imprescindível a utilização de mudas fortes de limão – base para o sucesso e longevidade do pomar, garantindo a sua produtividade, menor incidência de doenças e, consequentemente, o retorno econômico do investimento.

Hoje, a maior parte da produção brasileira de citros está concentrada em São Paulo, sendo importante também em Minas Gerais e Bahia. Logo após vêm Rio Grande do Sul e Paraná. Isto ocorre em função de as espécies de citros apresentarem uma grande adaptação a diferentes condições de clima e de solo.

As frutas cítricas, como laranjas, limões, bergamotas, são originárias de florestas úmidas localizadas no Sul da China e de parte das ilhas da Malásia. Boa parte do plantio, hoje, está nos países do Mediterrâneo, como Espanha e Itália; e, foram da Europa, nos Estados Unidos, no Brasil e na África do Sul.
Bergamota – Foto/divulgaçã – Fernando Dias/SEAPI